Blog Items

Dólar comercial ronda a estabilidade com cena externa no radar

Juros futuros, por sua vez, operam sem direção única As taxas dos juros futuros operam entre altas e baixas no pregão desta quinta-feira, com os investidores avaliando a aprovação na Câmara do projeto de lei que limita a cobrança de ICMS em produtos como combustíveis e energia elétrica. A oscilação contida nos ativos financeiros nos mercados globais hoje também ajuda a manter os ativos locais em patamares próximos à estabilidade. Perto de 10h30, o dólar comercial subia 0,08%, para R$ 4,8238, após máxima em R$ 4,8424. No mercado de juros, no mesmo horário, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 recuava a 13,385%, de 13,42% do ajuste anterior; a do DI para janeiro de 2024 marcava 12,97%, de 12,91%; a do DI para janeiro de 2025 marcava a 12,23%, de 12,28%; e a do DI para janeiro de 2027 estava a 12,07%, de 12,09%. Conforme antecipado por boa parte dos investidores, a Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, por 403 votos a 10, o texto-base do projeto de lei que corta o ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, gás natural, comunicações e transporte coletivo. A tramitação do projeto no Senado, que é mais próximo aos governos estaduais, ainda é considerada desafiadora pelos participantes do mercado e pode provocar maior oscilação nos preços dos ativos, caso venha a ser aprovada. Assim como na sessão do dia anterior, a medida é refletida no mercado de juros por uma queda nas taxas dos vencimentos curtos e alguma pressão nos vértices mais longos. “O que parecia ser um dia mais calmo foi se tensionando ao longo do dia, com investidores discutindo quais seriam os impactos da medida do ICMS no cenário fiscal, sem ainda uma contrapartida clara para a renúncia de arrecadação. Dito isso, vimos um movimento de ‘steepening’ [inclinação] com os vértices mais longos abrindo acima de 10 pontos-base”, afirma o operador de renda fixa da Renascença, Luis Felipe Laudisio. Nos Estados Unidos, o número de pedidos iniciais de seguro-desemprego caiu em 8 mil na última semana, em relação ao período anterior, chegando a 210 mil pedidos, conforme informou o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos. O número veio abaixo dos 215 mil pedidos projetados por alguns economistas. “O declínio consistente nas reivindicações contínuas também adiciona credibilidade ao argumento de que o mercado de trabalho está muito apertado”, afirma Thomas Simmons, economista de mercados monetários da Jefferies. Já o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 1,5% no primeiro trimestre deste ano, na taxa anualizada, conforme a segunda estimativa do dado divulgada hoje. A queda foi maior que a indicada na leitura preliminar para o período, de 1,4%, e também veio pior que a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal (WSJ), que previam queda de 1,3% da economia americana.

Como um besouro do tamanho de um gergelim pode causar um prejuízo de US$ 18,5 bilhões

Milhões de árvores devem morrer e terão que ser removidas na África do Sul, segundo pesquisadores Um besouro do tamanho de uma semente de gergelim pode custar à África do Sul US$ 18,5 bilhões na próxima década, já que milhões de árvores devem morrer e terão que ser removidas, e cultivos de frutas, nozes e madeiras serão prejudicados, estimam os pesquisadores. LEIA MAIS: Ministério lista as 83 pragas agrícolas mais perigosas; saiba quais são Maiores predadores, mosquitos já mataram mais que guerras de Gengis Khan e Hitler Embrapa e Abapa lançam sistema de monitoramento de pragas no oeste da Bahia Uma broca que ataca madeira, cujo nome científico é Euwallacea fornicatus, que chegou à África do Sul em 2012, se espalhou por oito das nove províncias do país com algumas infestações a mais de 1.000 quilômetros (621 milhas) de distância, disseram pesquisadores da Universidade de Stellenbosch e da Universidade de Pretória em um estudo, lançado nesta semana. As crescentes infestações do besouro, que arruinaram árvores em Israel e na Califórnia, podem matar 65 milhões, ou cerca de um quarto das árvores nas cidades da África do Sul, nos próximos 10 anos, disseram os pesquisadores. Isso resultaria em custos de US$ 17,5 bilhões, principalmente na forma de despesas com a remoção de árvores mortas. Danos aos cultivos de abacate e madeira aumentariam o custo total em cerca de US$ 1 bilhão. Este é “ atualmente o maior surto dessa praga invasiva em todo o mundo”, disseram os pesquisadores. Euwallacea fornicatus é o nome científico do besouro que está infestando a África do Sul Bloomberg Joanesburgo tem uma das maiores florestas urbanas do mundo, com uma cobertura verde que se estende até onde a vista alcança no norte da cidade. Outros municípios, como a Cidade do Cabo, também são densamente arborizados. A praga também pode afetar as plantações de frutas cítricas e macadâmia da África do Sul. A fêmea do besouro entra nas árvores e deixa o fungo no túnel para sua prole. Esse fungo contém um patógeno que bloqueia a circulação da árvore. Algumas árvores tornam-se hospedeiros reprodutivos, ou criadouros, e o fungo é particularmente letal para os carvalhos ingleses, bordos chineses e japoneses e outras árvores encontrados nas ruas das cidades sul-africanas. Gerenciar o impacto da infestação “não será tarefa fácil”, disseram os pesquisadores. “Uma estratégia para proteger o estoque permanente de árvores especialmente urbanas, mas também de espécies florestais agrícolas e comerciais, contra a invasão é do melhor interesse dos formuladores de políticas, e cidadãos em nível nacional.” Ainda assim, existem poucas opções além de restringir o movimento de madeira infestada e remover rapidamente as árvores infectadas, disseram os pesquisadores. Inseticidas e fungicidas podem ser injetados diretamente nas árvores infectadas, mas isso é “caro e demorado”.

Alerta de premiê para economia da China foi mais grave que discurso oficial

Declarações a milhares de autoridades locais em uma reunião emergencial na quarta-feira foram mais francas do que o discurso oficial divulgado pela mídia estatal chinesa O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, alertou para consequências graves se as autoridades não agirem de forma decisiva para evitar que a economia deslize ainda mais, e disse que uma contração no segundo trimestre deve ser evitada. Leia Mais: UBS e JPMorgan cortam previsões para PIB da China com "covid zero" China já sinaliza possível queda do PIB no 2º trimestre Surto de covid em Pequim alimenta temor de lockdown Seus comentários a milhares de autoridades locais em uma reunião de emergência na quarta-feira foram mais francos do que o discurso oficial publicado pela mídia estatal. Li disse aos participantes que o crescimento econômico corre o risco de sair de uma faixa razoável, de acordo com pessoas familiarizadas com as discussões. Ele disse que a China pagará um preço alto, com um longo caminho para a recuperação, se a economia não puder continuar a se expandir a uma determinada taxa. Isso significa que o crescimento deve ser positivo no segundo trimestre, disse ele, segundo as pessoas, que não quiseram ser identificadas. As observações reforçam a expectativa dos economistas de que a meta de crescimento do governo este ano, de cerca de 5,5%, está cada vez mais fora do alcance. Pequim se mantém firme em sua estratégia "covid zero", que paralisou a atividade em grandes centros como Xangai. Economistas consultados pela Bloomberg agora esperam que a economia cresça apenas 4,5% este ano, com alguns, como Morgan Stanley, rebaixamento crescimento até 3,2%. Li listou alguns objetivos para as autoridades locais se concentrarem neste ano, incluindo um melhor equilíbrio entre os controles de covid e o crescimento econômico. Aqui estão alguns dos principais destaques da reunião de Li que não foram relatados pela mídia oficial: Desemprego Li disse que a alta na taxa de desemprego - que atingiu 6,1% em abril, perto de um recorde - traria graves consequências. Embora os saltos sejam toleráveis no curto prazo, ele alertou que os perigos surgirão se o problema durar mais de um trimestre. Essa preocupação, disse ele, significa que o crescimento econômico deve ser positivo no segundo trimestre, e a taxa de desemprego deve cair. Finanças Locais Li deixou claro para as autoridades locais que suas economias precisam se recuperar para que possam gerar renda, e que toda a ajuda que o governo central pode fornecer foi incluída no orçamento. Os governos locais precisam apoiar a retomada do trabalho à medida que o vírus for controlado. Inflação Li também enfatizou a necessidade de garantir que a produção de grãos não fique abaixo dos níveis do ano passado, pois essa produção é fundamental para manter a inflação sob controle. Ele disse aos governos locais para garantir que a colheita e a estocagem de verão sejam conduzidas sem problemas - o que significa que a colheita não pode parar mesmo se houver um surto de Covid. Energia O primeiro-ministro disse às autoridades que mantenham as minas de carvão em operação desde que atendam à segurança do trabalho neste verão, acrescentando que a energia será escassa, independentemente do estado da economia. Cortes de energia não podem acontecer, acrescentou. Li também destacou a importância da manufatura na China, que ele disse ser um pilar que emprega até 300 milhões de pessoas, ao contrário dos países desenvolvidos, onde as indústrias de serviços representam a maior parte da economia. A cadeia industrial deve ser protegida, disse. O presidente da China, Xi Jinping (esq.), e o primeiro-ministro Li Keqiang, na abertura do 12º Congresso Nacional do Povo Tomohiro Ohsumi/Bloomberg

About Consilium

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nunc rhoncus elit in est commodo hendrerit. In sodales rhoncus tincidunt. Integer iaculis nisi sit amet risus malesuada vulputate. Sed diam orci, cursus ut luctus sit amet.

Buy Now

Áreas de Atuação

Linhas de Pesquisa

Portal de Ensino

Projetos

Produção Acadêmica

Últimos blogs

26/05/2022 - 11:05
Valor Econômico

Entre em contato

Av. Bandeirantes, 3900 - Sala 03
Monte Alegre - CEP 14040-905
Ribeirão Preto - SP / Brasil
FEA-RP / USP

+55 (16) 3602-0503

[email protected]

Mídias sociais

Acesse nossa newsletter: