Últimos blogs

Governo anuncia R$ 409 milhões para financiar 17 projetos de telecomunicações

O investimento será voltado ao desenvolvimento e a ampliação de tecnologias de Internet das Coisas; verba será destinada a pequenas e médias empresas para aquisição de soluções tecnológicas O governo federal anunciou nesta terça-feira (24) a destinação de R$ 409 milhões para financiamento de 17 projetos de telecomunicações, por meio do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel). O investimento, segundo o Ministério das Telecomunicações, será voltado ao desenvolvimento e a ampliação de tecnologias de Internet das Coisas em sistemas agrícolas, de transporte, saúde e segurança, além de soluções para a internet 5G. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Metodologia do índice da Bolsa de Frankfurt é alterada após escândalo da Wirecard

A Deutsche Börse informou que todos os membros em potencial teriam que atingir uma medida de lucro operacional positivo (Ebitda) por 2 anos inteiros antes de ingressar no índice DAX O principal índice de ações da Alemanha expandiu seu tamanho e mudou as regras para aumentar a qualidade de suas empresas constituintes, um movimento desencadeado em parte pelo colapso da empresa de pagamento Wirecard, por causa de uma fraude multibilionária. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

STF arquiva mandado de segurança contra tramitação da reforma administrativa

Segundo parlamentares, PEC só poderia tramitar com dados que a embasassem O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou arquivar um mandado de segurança apresentado por um grupo de parlamentares para tentar paralisar a tramitação da reforma administrativa no Congresso. O argumento central do grupo era que a matéria só poderia começar a ser analisada após o governo divulgar os dados que embasaram a proposta de emenda à Constituição (PEC), especialmente o impacto orçamentário da reforma. Para Marco Aurélio, negociar benefício em delação é atribuição do Judiciário Rosinei Coutinho/SCO/STF Em sua decisão, Marco Aurélio afirma que informações prestadas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), demonstram que ainda não houve a admissão da PEC, que nem sequer chegou a ser distribuída. Por isso, não haveria transgressão ao processo legislativo e seria "incabível atuação prematura do Supremo". Segundo a petição inicial, o governo impôs sigilo aos documentos, subtraindo a prerrogativa dos parlamentares de debater, questionar e aperfeiçoar a proposta enviada à Câmara. Para o grupo, é "preocupante a insistência do Ministério da Economia em escapar à transparência própria do princípio republicano". A ação foi movida por deputados e senadores de diferentes partidos, como PT, PDT, PSD, Psol, Rede e PV.

Com menor incerteza política, Dow Jones e S&P 500 renovam recordes

O índice Dow Jones superou os 30 mil pontos pela primeira vez na história, fechando o dia com valorização de 1,54; o S&P 500 avançou 1,62% e terminou o pregão aos 3.635,41 pontos A sinalização de que a administração de Donald Trump vai dar início à transição de poder, o que deve abrir caminho para um processo ordenado de mudança de governos, somou-se ao clima já positivo nos mercados provocado pelo noticiário envolvendo o desenvolvimento de vacinas nos últimos dias. O resultado foi um pregão de demanda elevada por ativos de risco nesta terça-feira (24), o que impulsionou o Dow Jones, que superou os 30 mil pontos pela primeira vez na história, e o S&P 500 a novos recordes de fechamento. Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), o Dow Jones fechou o dia em alta de 1,54%, aos 30.046,24 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 1,62%, terminando o pregão aos 3.635,41 pontos. O índice eletrônico Nasdaq teve ganhos de 1,31% e marcou 12.036,79 pontos — cerca de 20 pontos abaixo de seu recorde histórico. Os agentes financeiros celebraram os sinais de que a prolongada incerteza eleitoral está chegando ao fim, diminuindo os riscos políticos que acompanharam os mercados nos últimos meses. A chefe da Administração de Serviços Gerais (GSA, na sigla em inglês) afirmou, ontem, que sua agência forneceria a Joe Biden os recursos federais destinados a colaborar com uma transferência suave de poder. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também disse que instruiu assessores para ajudar na transição. "Isso é muito positivo: significa que finalmente podemos obter um processo de transição ordenado", disse Luc Filip, chefe de investimentos bancários privados do SYZ Private Banking, à Dow Jones Newswires. "Isso aliviaria algumas das incertezas que pesavam sobre o mercado nas últimas duas a três semanas", afirmou. Os agentes financeiros também seguem repercutindo o noticiário positivo relacionado ao desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, após a AstraZeneca e a Universidade de Oxford terem anunciado resultados eficazes de sua vacina na véspera. O otimismo é refletido na alta de setores mais sensíveis ao crescimento econômico e na valorização de segmentos da economia que foram duramente atingidos pela pandemia de covid-19. “As expectativas da vacina, juntamente com a menor incerteza política, impulsionaram a estratégia de apostar em ações cíclicas”, disse Todd Jablonski, diretor de investimentos da Principal Global Asset Allocation, ao MarketWatch. Destaques O setor de energia avançou 5,16% hoje, liderando os ganhos dentro do S&P 500. Outros destaques positivos foram os setores financeiro, que subiu 3,53% e de materiais, que terminou o dia em alta de 2,50%. As ações de empresas de turismo e lazer e companhias aéreas também avançaram, em mais um sinal de que os investidores estão se antecipando a um mundo pós-pandemia. A American Airlines fechou o dia com ganhos de 9,29%, a United Airlines Holdings registrou alta de 9,85%, a Delta Airlines anotou ganhos de 6,37%, a Southwest Airlines valorizou 3,08% e a Alaska Air Group avançou 5,33%. A companhia de cruzeiros Royal Caribbean Cruises subiu 7,72%. Os mercados também reagiram positivamente às informações de que a ex-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, foi escolhida por Joe Biden para comandar o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. Yellen é considerada uma economista e administradora experiente, que teve papel importante na recuperação da crise financeira de 2008. Ela seria a primeira mulher a servir como secretária do Tesouro dos EUA. Alguns analistas também veem a escolha de Yellen como um fator que aumenta a probabilidade de novas medidas fiscais para apoiar a recuperação econômica durante a pandemia da covid-19. "Ela mostrou claramente que está disposta a minimizar os riscos de queda para a economia", disse Eric Barthalon, chefe global de pesquisa de mercado de capitais da Allianz. "Esta é uma boa notícia do ponto de vista do mercado."

Ibovespa atinge maior nível desde fevereiro com exterior e otimismo com vacina

Em moeda local, o índice acumula alta de 16,85% em novembro – o melhor mês do ano até aqui O Ibovespa fechou em alta de 2,24%, aos 109.786 pontos, maior patamar desde 21 de fevereiro de 2020, quando ficou em 113.681 pontos. O salto foi acompanhado de um giro financeiro intenso, de R$ 29,3 bilhões, acima da média diária de novembro, de R$ 25,2 bilhões, apesar de manter uma certa distância para os maiores volumes do mês, registrados nos dias 9 e 10, de R$ 39 bilhões. Com isso, em moeda local, o índice acumula alta de 16,85% em novembro – o melhor mês do ano até aqui. O movimento se apoiou no salto de gigantes da bolsa, como Petrobras, Vale e bancos, sob efeito do ambiente mais favorável a ativos de risco no exterior e a rotação de setores sob a persepectiva de normalização da economia, com a futura chegada de vacinas contra covid-19. Pixabay

AES Brasil lança plataforma digital para comercialização de energia

Com serviço, a companhia visa o “varejo” do setor elétrico, isto é, consumidores de menor porte habilitados a contratar energia diretamente de um fornecedor De olho no potencial de crescimento do mercado livre de energia, a AES Brasil lançou nesta terça-feira (24) sua plataforma digital para comercialização ao “varejo” do setor elétrico, isto é, consumidores de menor porte habilitados a contratar energia diretamente de um fornecedor. Segundo o presidente da geradora, Ítalo Freitas, o canal foi pensado para facilitar o processo de migração de consumidores para o ambiente de contratação livre (ACL). A companhia não revela suas metas para a iniciativa, mas diz buscar a liderança. “Queremos ser a primeira opção do cliente no mercado livre, seja no ‘atacado’, com as grandes empresas, ou no ‘varejo’”. A atuação com o segmento “varejista” não é uma novidade para a AES, destaca o diretor de relacionamento com o cliente, Rogério Jorge Pereira. “Já somos o quinto maior do país nesse mercado e, com o que já temos vendidos, podemos chegar no terceiro lugar. Lidar com grande escala também não é novo para nós, cuidamos da Eletropaulo por 15 anos”, observa. Serviços “adicionais” Para se diferenciar das plataformas concorrentes lançadas por outras geradoras e comercializadoras, a companhia apostou na oferta de serviços “adicionais”, associados ao processo de migração para o mercado livre. Além de comprar energia da AES, o cliente poderá, por exemplo, contratar uma empresa de engenharia para adequar seu ponto de entrada e até financiar esses custos junto a uma fintech. “Nossa principal proposta de valor é garantir que vamos fazer isso [a migração] de forma mais fácil. Não adianta falar para o cliente que garantimos desconto de 20% frente ao mercado cativo, só que ele ainda precisará arrumar uma empresa de engenharia para adaptar sua cabine primária, ter garantia financeira, contratar o produto por cinco anos, etc.”, afirma o diretor. Já os próprios contratos de energia foram adaptados para a realidade do “varejista”, que tem demandas distintas em relação aos grandes consumidores eletrointensivos. Os prazos são mais curtos, de 1 a 3 anos, e as cláusulas, mais flexíveis. Como a dinâmica de mercado é outra, a contratação não será no modelo tradicional de “take-or-pay”, em que o cliente paga mesmo se não consumir a energia comprada. Os preços, por sua vez, poderão ser fixos ou então variáveis, acompanhando o mercado cativo mas com desconto garantido. Apesar de terem consumo muito inferior ao dos eletrointensivos, os “varejistas” podem representar um volume significativo no mercado no futuro, à medida que os limites de carga mínima para atuação no ACL forem diminuindo. A AES mira um mercado potencial de “varejo” que pode somar entre 170 mil e 200 mil novas unidades consumidoras. A companhia também está trabalhando para agregar os grandes consumidores nesse canal digital. As funcionalidades para o “atacado” devem estar disponíveis a partir de meados do ano que vem.

Anvisa rejeita uso de testes de covid com data de vencimento alterada

Governo federal tem ao menos 6,8 milhões de testes já identificados num armazém do Ministério da Saúde com data próxima do vencimento A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem se manifestando nas últimas semanas contra a distribuição e o uso de testes de covid-19 com data de vencimento alterada. A discussão, no entanto, é complexa e já está indo parar nos tribunais. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Ministério da Economia deve encaminhar ao CMN proposta de criação da CPR "verde"

Papel terá carimbo sustentável para valorizar quem mantém excedentes de florestas em pé nas fazendas O Ministério da Economia deve encaminhar para aprovação do Conselho Monetário Nacional (CMN) em dezembro a proposta que cria a Cédula de Produto Rural (CPR) Verde. O papel, largamente utilizado para antecipar recursos na safra, vai ganhar um carimbo sustentável para monetizar quem mantém excedentes de florestas em pé nas fazendas. O objetivo é permitir que os produtores rurais que tenham excesso de Reserva Legal nas propriedades possam emitir o título para captação de recursos para financiamento de novas atividades. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Cooperativa Bom Jesus deverá investir R$ 100 milhões em 2020 e 2021

Projetos do grupo paranaense incluem a aquisição de unidade de armazenamento, transbordo e secagem de grãos A cooperativa paranaense Bom Jesus anunciou que seus investimentos em 2020 e 2021 deverão somar R$ 100 milhões, direcionados a projetos que vão desde a aquisição de uma unidade de armazenamento, transbordo e secagem de grãos até a expansão de revendas. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

STJ nega recurso a Joesley, condenado a indenizar Temer em R$ 300 mil

Empresário afirmou que o ex-presidente era “chefe da maior organização criminosa” do Brasil A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o recurso apresentado pelo empresário Joesley Batista para tentar reverter decisão que o condenou a pagar R$ 300 mil de indenização por danos morais ao ex-presidente Michel Temer. Joesely foi condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJ-DFT) por afirmar, em entrevista à revista Época, que o então presidente era o "chefe da maior e mais perigosa organização criminosa" do Brasil. As declarações são de junho de 2017, após vir à tona o conteúdo da delação premiada que ele e seu irmão, Wesley Batista, fecharam com o Ministério Público Federal (MPF). Joesley Batista Valor Após a condenação, a defesa de Joesley recorreu ao STJ para tentar anular o pagamento da indenização, mas o recurso foi negado hoje. Durante o julgamento, o ministro Moura Ribeiro, relator do caso, votou para reduzir o montante para R$ 200 mil, mas a turma preferiu manter o valor inicial. Em memorial enviado ao STJ, o advogado de Temer, Renato Ramos, afirma que a ação reparatória buscou responsabilizar Joesley "pelas suas mentiras, acusações falaciosas e meras ilações, com a consequente obrigação de reparar os danos causados". Também disse que a indenização tinha função "punitiva" para que "pudesse servir como desestímulo a novas ofensas". A defesa afirmou ainda que Joesley "passou a mentir escancaradamente e a acusar outras pessoas para se salvar dos seus crimes, como de conhecimento notório". A validade do acordo dos irmãos Batista e de outros executivos da J&F, controladora da JBS, ainda será julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Após identificar omissão de informações, o MPF pediu a rescisão da delação.

Áreas de Atuação

Linhas de Pesquisa

Portal de Ensino

Projetos

Produção Acadêmica

Entre em contato

Av. Bandeirantes, 3900 - Sala 03
Monte Alegre - CEP 14040-905
Ribeirão Preto - SP / Brasil
FEA-RP / USP

+55 (16) 3602-0503

[email protected]

Mídias sociais

Acesse nossa newsletter: