Últimos blogs

Medidas de apoio ao agronegócio serão anunciadas entre hoje e amanhã, diz ministra

CMN pode aprovar ainda hoje resoluções de ajuda ao setor A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que “entre hoje e amanhã” serão anunciadas novas medidas econômicas de apoio ao setor agropecuário. Segundo ela, o Conselho Monetário Nacional (CMN) deve votar hoje uma série de resoluções de ajuda ao segmento. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Ministra da Agricultura defende intensificação de negócios com o países árabes

Tereza Cristina sugere "linha direta" de negociações para reduzir custos A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse hoje que é possível trabalhar em um planejamento estratégico “mais ousado” para intensificar os negócios entre o Brasil e os países árabes — que, em conjunto, são o segundo principal parceiro comercial agrícola brasileiro. Ela sugeriu a criação de uma linha direta de comercialização para reduzir custos nas operações, com a ampliação de importações de produtos daquela região e a diversificação da pauta exportadora para lá. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Estoques semanais de petróleo dos EUA sobem acima do previsto

Governo aponta recomposição de mais de 15 milhões de barris enquanto projeção do mercado era de cerca de 9 milhões de barris Os estoques de petróleo nos Estados Unidos subiram o equivalente a 15,177 milhões de barris na semana encerrada no dia 3 de abril, em relação a uma semana antes, para 484,37 milhões, de acordo com dados com ajuste sazonal divulgados nesta quarta-feira pelo Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Exportações do agronegócio renderam US$ 21,4 bi no 1º tri, diz CNA

Puxadas por soja e carnes, vendas cresceram 0,4% ante o mesmo período de 2019 As exportações brasileiros do agronegócio renderam US$ 21,4 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 0,4% mais que em igual período de 2019, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Pesquisa mostra impacto disseminado do coronavírus na economia mundial

Levantamento da FGV em pareceria com o instituto suíco KOF revela que a crise de saúde terá um abalo "sem precedente" para a atividade em todos os continentes O impacto da pandemia causada pela nova doença covid-19 é disseminado na economia global, em âmbitos regional e setorial. É o que mostrou hoje a Fundação Getulio Vargas (FGV) ao anunciar novo levantamento sobre o tema, realizado em parceria com o instituto econômico suíço KOF da ETG Zurique. Na pesquisa, o Barômetro Global Coincidente, o indicador referente ao levantamento que mensura momento atual, caiu 8,5 pontos em abril, de 77,9 pontos para 69,4 pontos, o menor nível desde maio de 2009, sinalizando aprofundamento da desaceleração do PIB Mundial. No âmbito regional, as principais contribuições para o desempenho desfavorável do indicador foram originadas das regiões Ásia, Pacífico e África. Pelo lado setorial, o segmentos que mais influenciou resultado negativo do barômetro coincidente foi tópico "desenvolvimento econômico geral", que abrange evolução das economias em nível agregado - seguido por comércio, indústria e serviços. Indianos se protegem contra coronavírus em meio ao comércio fechado - coronavírus, pandemia, epidemia AP Photo/Manish Swarup A FGV acrescentou ainda que, na análise, outro indicador, Barômetro Global Antecedente, que mensura tendências, recuou 12,5 pontos no mês, ao passar de 86,9 pontos em março para 74,4 pontos em abril. No lado regional, contribuíram mais para o resultado final de contração do indicador o Hemisfério Ocidental. Já no âmbito setorial, as principais contribuições para recuo do indicador partiram dos tópicos "desenvolvimento econômico geral", indústria e comércio. Na prática, os resultado de ambos os indicadores mostram que a disseminação da epidemia para fora da região asiática fez com que a crise de saúde abalasse economias de todos os continentes, ressaltou a FGV, em comunicado. Para Paulo Picchetti, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), os dados da pesquisa comprovam que a influência da nova doença sobre a atividade global é "sem precedentes" . "Além desses aspectos, a velocidade da crise também impressiona, na medida em que as inflexões nos indicadores antecedente e coincidente são virtualmente simultâneas. Esse conjunto de informações mostra uma crise gerada por fundamentos muito distintos daqueles responsáveis por recessões recentes, mesmo entre aquelas afetando vários países em um mesmo intervalo de tempo” comentou Picchetti, em nota. Ao elaborar a pesquisa e o cálculo dos indicadores, as duas instituições usam como base de dados resultados de levantamentos de tendências econômicas em mais de 50 países. O barômetro coincidente inclui mais de 1.000 séries temporais diferentes, enquanto o antecedente abrange mais de 600 séries temporais.

Hong Kong lança pacote econômico de US$ 17,6 bilhões por pandemia

As autoridades de Hong Kong apresentaram nesta quarta-feira um pacote adicional de US$ 17,6 bilhões em estímulos à economia para enfrentar a crise da pandemia do novo coronavírus. A chefe do governo local, Carrie Lam, afirmou que a pandemia é um “desafio sem precedentes” que requer uma “resposta sem precedentes”. Parte do dinheiro será usado para evitar demissões. O governo de Hong Kong subsidiará 50% do salário de trabalhadores que recebam até cerca de US$ 1.150 por seis meses. Além disso, um fundo já criado para ajudar um grupo específico de empresas será reforçado. Lam explicou que empresas que demitirem funcionários que aderirem ao programa terão de devolver o dinheiro pago pelo governo ou estarão sujeitas a punições. Hong Kong já havia anunciado US$ 37 bilhões em estímulos à economia nos últimos meses.

Análise: Efeitos de novo PDV da Petrobras serão sentidos no médio e longo prazos

Estatal calcula que impacto gerado no caixa pela medida, voltada a empregados aposentáveis com vigência até o fim de 2023, será diluído ao longo dos próximos três anos O lançamento de um novo programa de desligamento voluntário, pela Petrobras, é mais um passo da companhia na direção de se tornar cada vez mais enxuta, em linha com a missão recém-anunciada pelo comando da empresa de se preparar para sobreviver a um cenário de preços do petróleo a US$ 25 o barril. Na semana passada, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que a petroleira passará por uma “mudança estrutural”, frente à desvalorização da commodity no mercado internacional. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Campos: Estamos preparados a qualquer momento para intervenção maior no câmbio

Ele enfatizou, porém, separação entre políticas monetária e cambial e disse acompanhar desempenho do real para dar liquidez e não influenciar trajetória O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, voltou a enfatizar nesta quarta-feira que a autoridade monetária pode atuar no mercado de câmbio de forma “muto mais” forte se for necessário. Durante webinar promovido pelo Credit Suisse, ele apontou que o real brasileiro tem mostrado um desempenho pior que o de outros pares nos últimos meses, mas o BC tem atuado de forma apropriada, sem tentar definir uma taxa de câmbio. Campos afirmou que, assim como na administração passada, chefiada por Ilan Goldfajn, “nós acreditamos e enfatizamos muito o princípio da separação” entre as políticas monetária e cambial, ainda que as medidas tenham pontos de intersecção. O princípio da separação indica que o câmbio é flutuante e a taxa de juros serve para política monetária. Além disso, existem política macroprudenciais para o sistema financeiro. Logo, a política no mercado de moedas serve para “evitar excessos” e ajudar a estabilizar os mercados. Parte do mercado advogava por programas mais agressivos de atuação no câmbio, reconheceu Campos. No entanto, ele apontou que, ao mesmo tempo que acompanha o desempenho do real em relação aos pares, é importante dar liquidez e não influenciar a trajetória. Ainda assim, ele deixou claro: “estamos preparados para fazer algo maior se for necessário”. Parte da depreciação recente do câmbio tem a ver com a piora da percepção de risco no Brasil e emergentes. Além disso, outros fatores acabam afetando o mercado local, como o desmonte de posições no câmbio para reduzir o overhedge pelos bancos.

Liminar de Lewandowski sobre MP trabalhista entra na pauta do STF do dia 16

Após quase um mês, os ministros do Supremo voltarão a se reunir - virtualmente - para realizar sessões A decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), de que a suspensão de contratos e redução de salários só terão efeito após o aval de sindicatos, será discutida pelo plenário da Corte na sessão de julgamento por videoconferência marcada para o dia 16. Carlos Moura/STF Após quase um mês, os ministros do Supremo voltarão a se reunir - virtualmente - para realizar sessões. O último julgamento presencial aconteceu no dia 18 de março; depois disso, os encontros foram interrompidos devido ao avanço da pandemia do coronavírus. Na próxima semana, haverá sessões no plenário na quarta e na quinta-feira. Na terça-feira, as duas Turmas da Corte também realizarão julgamentos por videoconferência. A pauta do plenário vai ser tomada por questões relativas à pandemia. No dia 15, os ministros vão debater processos de relatoria do ministro Marco Aurélio Mello. Em primeiro lugar, os ministros vão decidir se confirmam ou revogam liminar concedida pelo ministro para que estados e municípios possam tomar medidas contra o avanço da doença, adotando procedimentos para a aquisição de bens, serviços e insumos. Também serão debatidas as ações contra a MP 927, editada pelo governo para instituir medidas trabalhistas no enfrentamento do estado de calamidade pública decretado no país em razão do coronavírus. Na quinta-feira, além do processo de relatoria de Lewandowski, estão previstas matérias que estão com o ministro Alexandre de Moraes. Uma das discussões será a decisão de Moras que derrubou o trecho da MP 928 que suspendia os prazos de resposta a pedidos de informação feitos via Lei de Acesso à Informação. Outro tema em pauta será o pedido do presidente Jair Bolsonaro para suspender prazos de MP durante crise, o que foi negado por Moraes. 08/04/2020 11:50:50

Bolsas nos EUA sobem, mas cautela ainda predomina nos mercados

Investidores continuam divididos entre os que acreditam que as ações em Wall Street já registraram suas mínimas e partem para recuperação e os que apostam que uma queda ainda mais pronunciada ainda está por vir Os índices acionários em Nova York iniciaram a sessão em alta, após terem devolvido ganhos de cerca de 4% no dia anterior e terem fechado a sessão em queda. Os investidores continuam se dividindo entre os que acreditam que as ações em Wall Street já registraram suas mínimas e partem para uma recuperação daqui em diante e os que apostam que uma queda ainda mais pronunciada ainda está por vir. Matéria exclusiva para assinantes. Para ter acesso completo, acesse o link da matéria e faça o seu cadastro.

Áreas de Atuação

Linhas de Pesquisa

Portal de Ensino

Projetos

Produção Acadêmica

Últimos blogs

08/04/2020 - 12:28
Medidas de apoio ao agronegócio serão anunciadas entre hoje e amanhã, diz ministra
08/04/2020 - 12:27
Ministra da Agricultura defende intensificação de negócios com o países árabes

Entre em contato

Av. Bandeirantes, 3900 - Sala 03
Monte Alegre - CEP 14040-905
Ribeirão Preto - SP / Brasil
FEA-RP / USP

+55 (16) 3602-0503

[email protected]

Mídias sociais

Acesse nossa newsletter: